Saiba de onde vem nosso gengibre

Image for post
Image for post

Na última semana, realizamos uma visita a Parelheiros, distrito que fica ao extremo sul da capital paulista, onde está localizada a Cooperapas — Cooperativa Agroecológica dos Produtores Rurais e de Água Limpa da Região Sul de São Paulo — para vivenciar o plantio do gengibre utilizado na fabricação do Kiro, no sítio do Seu Joaquim e da sua filha Mônica dos Santos. Durante o dia, também batemos um papo com os moradores do território e compartilhamos todos um belo almoço feito pelo casal Juarez e Fátima em sua Chácara Maravilha de Deus.

Há cerca de seis anos, a família do Seu Joaquim, responsável por cultivar parte do gengibre utilizado para produção de Kiro, fez a transição da agricultura convencional para o plantio sem veneno, passando então a integrar a Cooperapas.

Pai e filha começaram cultivando plantas ornamentais e passaram à produção de alimentos por volta de dez anos atrás, quando os netos disparavam uma série de perguntas para o avô sobre a origem dos produtos trazidos do mercado.

“Os meninos achavam que chegava em casa o saquinho, e não sabiam de onde vinha. ‘Vô, como é isso?’ ‘Vem cá, vamos mostrar como é.’ Até hoje, eles ajudam na roça”, conta a agricultora.

Não é de se espantar.

Desde as décadas passadas, o processo intenso de urbanização e o avanço da industrialização e da produção agropecuária em larga escala para exportação contribuíram infinitamente para o rompimento dos elos de conexão entre ser humano e natureza/sistema alimentar.

Hoje, apesar de 70% da comida que chega à mesa dos brasileiros serem provenientes da agricultura familiar, esses produtores rurais enfrentam inúmeras dificuldades no exercício da sua atividade, que vão desde acesso a crédito e logística de transporte até mesmo a legislações limitadoras que esbarram nas formas artesanais de produção de alimentos.

Somado a isso, territórios como Parelheiros vêm sofrendo investidas constantes da especulação imobiliária, com a ameaça da chegada de construtoras e construções monumentais, que implicariam em externalidades bastante negativas e comprometedoras para o caráter de produtor de água e de alimentos do local.

Mas o que nós, consumidores, podemos fazer para cooperar?

APOIAR O AGRICULTOR É MANTÊ-LO NO CAMPO

Criada em 2011, a Cooperapas, primeira cooperativa de produtos orgânicos da capital paulista, surgiu do desejo de alguns agricultores familiares de deixar de produzir com agrotóxicos, adubos químicos e fertilizantes sintéticos, e de voltar a fortalecer a relação do ser humano com o alimento. Hoje, o grupo conta com cerca de 40 cooperados.

Segundo Eduardo Farias, atual presidente da Cooperapas, a gestão da cooperativa é feita por uma diretoria voluntária, responsável por organizar o recebimento e a entrega dos produtos aos compradores.

Na venda via cooperativa, os agricultores pagam uma pequena taxa para manutenção do escritório e de funcionários específicos.

A Cooperapas não trabalha com varejo, apenas atacado, fornecendo alimentos para institutos como o Chão, Feira Livre e Baru, bem como para o Sesc e restaurantes, como o Arturito, da chef Paola Carosella.

Para Eduardo, a ideia de trazer visibilidade para a cooperativa é importante, mas desde que venha articulada com parcerias efetivas.

“Às vezes as pessoas têm uma ideia romântica do agricultor. O maior apoio para um agricultor hoje é mantê-lo no campo. É comprar mercadoria, oferecer créditos, fazer compra antecipada, apoiar na produção.”

E não só de comida que o distrito abastece a capital, mas também de água. Isso porque é no território que se localizam as bacias hidrográficas do Capivari, Guarapiranga e Billings, responsáveis pelo abastecimento de 25% da região metropolitana do município.

Além de tudo, a produção de águas e de alimentos de base agroecológica, orgânicos e biodinâmicos pelos agricultores familiares contribui para a preservação da biodiversidade local e para a manutenção da cultura e dos modos de vida dos povos do território.

É… o trabalho conjunto dos produtores de Parelheiros não deixa fugir a máxima: se o campo não planta, a cidade não janta.

E você, o que vem jantando por aí?

*Texto publicado originalmente na newsletter de Kiro em setembro de 2020. Para assinar, clique aqui.

Os textos são originalmente publicados em nossa Newsletter. Assine em mailchi.mp/bebakiro/news e tenha acesso ao conteúdo quinzenal completo.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store